Pelos caminhos de calor até sôr!

Num dia, num momento, num instante coloquei na minha cabeça um desafio! Em breves segundos pensei que podia ser ambicioso demais para mim, mas algo me deu forças.

Pensei, senti e decidi em fazer parte dos atletas que fazem o circuito nacional de trail da ATRP. Mas aguardavam-me provas com alguns km´s que estava muito pouco habituada. Ouvi no início algumas palavras a puxarem me mais para a realidade, mas no entanto pedi opinião ao mister e ele disse que com algum treino que sentia que eu era capaz de superar provas com mais alguma distância.

trilhosdosorNo dia 04 de Setembro aparece o IV Trail do Sôr. Lá fui eu sem saber o que me esperava. Nesta aventura de nada vale a pena contar como foi o percurso. Foi a prova mais dura que tive até hoje. Dureza pelo calor infernal que se fazia sentir no corpo, dureza por todos os obstáculos físicos e mentais que levamos connosco numa prova. Pela luta interna em querer apenas estar, ultrapassar cada passo dado, superar o calor e a possível desidratação, deixar os pensamentos de lado e estar focada em cada suspiro, em cada passada, em todos os movimentos feitos para ter energia para simplesmente acabar, simplesmente chegar, simplesmente ter o abraço dos nossos colegas de equipa!

Receio do desconhecido!

Descobri tanto de mim! Tanto por sentir, tanto por sofrer, tanto por superar! Que acabei por perceber e ter consciência que tenho algumas questões que me poderiam deixar ficar para trás e desistir, mas aprendi também que tenho muitas outras características que me fizeram levar até ao fim dos 30km depois de cerca 6h30min num forno ao ar livre. O meu estômago não me deixou correr, mas as minhas pernas e o meu pensamento quiseram continuar o desafio proposto.

Eu só pensava em terminar a prova para continuar na contagem à participação do campeonato. Fui a caminhar forte e acompanhada pelo vassoura (O filipe) após o corte temporal das 3h. Graças a ele, a mim, à determinação, ao amor à camisola, aos nossos desafios que consegui ir num ritmo mais lento para tentar esquecer as minhas dores e o calor, para alegremente continuar todos os km bem disposta até ao fim.

Acabei! Superei, venci tudo o que havia dentro de mim para ultrapassar e viver. Fui o último atleta a chegar, mas senti que eu era tão importante como todos os atletas que venceram o desafio e chegaram ao fim. Alguém me contou uma história “que é tão importante aquele que chega em 1º porque conseguiu o seu desafio. Como o último que conseguiu superar também muitos outros desafios iguais ou maiores”. Haverá ainda o dia que trará consigo todas as palavras que possam descrever tudo o que passei. Vivi, aprendi e descobri nesta magnifica e dura prova. Agradeço profundamente a todos os que ficaram para me ver chegar como a todos os magníficos, simpáticos e prestáveis elementos da organização que tão bem me trataram. Obrigada a todos!

Dolce Furadouro | Prova IV Trail do Sôr | 30km – Campeonato Nacional de Trail ATRP